Intercâmbio na China | “É bastante claro que meu chinês já melhorou em tudo!”

7 dezembro 2015
Comentários  2

Letícia Temp é uma das intercambistas que embarcou no início deste semestre rumo ao seu tão desejado sonho de aprofundar seus conhecimentos de Mandarim na China. Ela se inscreveu na Shenzhen University (USZ) via MAPAei e partiu com determinação, foco e aberta para vivenciar e absorver tudo o que a cultura chinesa tem a ensinar e proporcionar. Depois de um mês por lá, ela nos concedeu esta entrevista e mostrou, como disse a Chris Dumont em seu último Post, que “Onde há um desejo, há um caminho”!

De Foz do Iguaçu direto para a China.

Como foi o início das aulas na USZ? Você já vinha estudando mandarim no Brasil, você se classificou para o nível desejado?
Como eu já tinha tido contato com o mandarim antes, minha idéia com a SZU era entrar no maior nível que eu conseguisse acompanhar. Apesar do receio, decidi aceitar o desafio posto pela universidade em entrar no terceiro dos sete níveis oferecidos por eles. 

 A primeira semana de aula foi um pouco difícil, visto que já fazia 6 anos que eu não “ouvia” chinês por tanto tempo. Mas foi só o susto do primeiro contato. Rapidamente senti que fiz a escolha certa e tenho conseguido acompanhar as aulas de forma bem satisfatória!

 Apesar de termos a opção de mudar de sala (tanto em caso de mudar de nível como para testar outros professores) eu optei por continuar na mesma sala desde o primeiro dia. Tenho três professores e gosto bastante da forma como eles levam as aulas, especialmente por terem estilos diferentes e focarem em diferentes aspectos do idioma: cultural, fonético, de gramática.

Mandarim na USZ - MAPAei
Aula de Mandarim na Universidade de Shenzhen – Foto de Gustavo Meissner

Você está gostando das aulas?
É bastante claro que meu chinês já melhorou, em tudo: na leitura (que era um gap grande que eu tinha), na extensão do vocabulário, entendimento da cultura, mais facilidade de assimilação das palavras, conversação/pronúncia, etc.

Como está sendo a adaptação na China? O que, para você, é um desafio em termos culturais?
Acredito que meu jeito bastante flexível de ver as coisas ao meu redor e viver o meu dia-a-dia elimina vários “desafios” que eu poderia ter enfrentado. Ademais, já conhecer o idioma e já ter morado um tempo em Taiwan facilita bastante.

 A palavra “desafio” eu consigo remeter à minha saga em busca de remédio para um problema seríssimo de ATM que me deu, há duas semanas atrás (e que está recém sarando). Não consegui encontrar o remédio na China e os hospitais não conseguiam entender qual era meu problema, nem receitar algo que pudesse aliviar minha dor. Por sorte consegui um contato de alguém que estava vindo do Brasil e pedi que trouxesse o remédio para mim. 

Tem mais brasileiros na sua sala de aula?
Há mais 2 brasileiros na minha sala, que já moram na China há mais de 1 ano e meio. 

Sala de Aula USZ - MAPAei
Gustavo Meissner (de camisa azul) estudando mandarim na USZ! 😉

Como é seu dia-dia de estudo?
Procuro manter uma rotina diária de estudos. Todas as manhãs vou para aula, à tarde faço as tarefas e reviso as lições. Dependendo do tempo que tenho durante o dia, treino os caracteres em flashcards e preparo o vocabulário das aulas do dia seguinte. Tudo isso facilita a assimilação do conteúdo.

Já consegue se virar pelas ruas de Shenzhen?
Sou mais bem localizada em Shenzhen do que na minha cidade no Brasil hehehe. Já consigo me virar muito bem nas ruas, ônibus e metrôs da cidade

Você chegou à China recebendo toda a assessoria da MAPAei em parceria exclusiva com Christiane Dumont, através do Programa Welcome Plus. Como foi contar com este serviço?
Para mim, em geral, contar com o serviço da Mapaei e da Chris significou fazer uma viagem tranquila. Vir para a China parece que sempre é uma tarefa duvidosa, especialmente no que diz respeito às documentações. Então, saber que esse tipo de passo na minha viagem estava sendo levado por quem já tem experiência no assunto foi bastante importante. 

 Além de toda a atenção em tirar todas as dúvidas que foram surgindo conforme a viagem ia chegando, julgo ter sido essencial o auxílio para a moradia nos primeiros dias em Shenzhen e, no meu caso, a sorte de encontrar minha estadia permanente por aqui. Sei o quanto significou para mim não precisar ter esse tipo de preocupação, além do conforto de saber que teria para quem recorrer caso eu precisasse. 

——————————————————————————————————————————–

Você pode acompanhar as aventuras da Letícia Temp, assim como suas impressões sobre a China em seu Blog: Meus Achados – Clique Aqui

INSCRIÇÕES ABERTAS – As inscrições para o próximo semestre já estão abertas e a Chris Dumont está aguardando por você lá! Inscreva-se: contato@mapaei.com.br Informações: Clique Aqui

Para falar com a Chris Dumont, escreva para: christianedumont@hotmail.com

Agradecemos as fotos enviadas pelo nosso intercambista Gustavo Meissner, que além de estudar o Mandarim na USZ, está cursando Comércio Exterior também na USZ depois de ter se formado no Brasil na mesma área!

Até a próxima entrevista! 😉

2 responses on “Intercâmbio na China | “É bastante claro que meu chinês já melhorou em tudo!”

  1. Letícia Temp disse:

    Marcia Tichauer e Christiane Dumont Rotstein Meus dois “nortes” nessa experiência incrível!!
    Obrigada pela oportunidade de poder contar com vocês!
    A entrevista ficou muito legal e espero que encoraje mais e mais pessoas a viver desse pedacinho de “loucura” que a gente tanto adora!
    Beijos!!